segunda-feira, 22 de maio de 2006

Match Point

Titulo em Português: Match Point - Ponto Final
Dirigido e escrito por: Woody Allen
Actores:
Jonathan Rhys Meyers
Scarlett Johansson
Emily Mortimer
Duração: 126 longos e intermináveis minutos.
Ano: 2005
Site Oficial: Match Point


O filme foi-me aconselhado por duas pessoas porque segundo elas, era um dos melhores (senão mesmo o melhor) de Woody Allen. Eu fiquei de pé atrás porque este realizador é conhecido por fazer películas de morrer de tédio, mas mesmo assim, agarrei no meu walkman (caso fosse chato como costuma ser) e sai para ver essa novidade.
Conta a historia de um ex-jogador de ténis e actual professor, que tem a sorte de casar com uma menina rica e obtém todos os lucros dessa união: bom emprego, boa situação financeira e claro, a adoração da familia da noiva (coisa importantíssima para as familias tradicionais inglesas).
O problema é que esse jovem chamado Chris conhece uma bela americana (Nola), curiosamente namorada do futuro cunhado e sente-se imediatamente atraido por ela (e vice-versa). Ele casa com Chloe (a menina rica) mas nunca lhe sai da cabeça a tal americana.
Um tempo depois, voltam a encontrar-se por acaso e aí inicia-se o romance. Tudo corre bem até a altura em que ela engravida, pondo em risco tudo o que ele conseguiu conquistar. Entre o tesão sentido por aquela mulher e o perigo de ficar sem nada do que tem, acaba tomando a decisão que acha conveniente.
Obviamente não conto o final do filme mas discordo absolutamente da forma como tudo se desenrola.
Desde o começo ao fim, trata-se de golpes de sorte: por ter encontrado a familia certa, por ter ido para a cama com a mulher que desejava e por ter escapado impune dos crimes que comenteu.

Por isso deixo as seguintes perguntas:
Até que ponto a sorte influencia a nossa vida?
Será que os fins justificam os meios?
Vale a pena por tudo em causa por uma paixão carnal?

Pontuação para este filme:

5 comentários:

  1. Ana S. ri a perder com os walkman para o filme "just in case"... Quanto aos meios menos lícitos, não justificam nunca os fins...
    O amor nada tem a ver com o "tesão".
    Beijo

    ResponderEliminar
  2. o filme vai muito para além do que falas ... o filme fala de paixão ... paixão animal ... paixão da carne ... mas também como paixão e ódio se cruzam ... se igualam .... se cometem loucuras .... se perde a cabeça ... como também nos dá uma msg .... a sorte ou temos ou não temos ... a vida é uma questão de sorte...
    o filme é também um filme de suspense ...

    ResponderEliminar
  3. Eu aqui não quero falar de paixões, nem de actos que possam justificar ou não um fim ou um meio. Vi o filme, e sinceramente gostei imenso. No fundo este filme é um pouco como a vida, ou seja, o factor sorte tem muita importancia nas nossas vidas. Não basta parecer para sê-lo não achas? E no filme Woody Allen dá-nos um belo exemplo do que é a sorte. Lembras-te da bola que bate na rede? Por momentos ela fica suspensa, parada, e depois então cai para um dos lados. Um dos jogadores ganha outro perde certo? No final a mesma coisa com o anel que não cai ao rio e o vagabundo encontra. De novo o factor sorte joga a favor da personagem e é devido a ele que aqui sim se pode dizer que os meios justificaram os fins. Ele fica casado etç, etç.

    ResponderEliminar
  4. Vi este filme no cinema com a pessoa mais maravilhosa que conheci até perceber o contrário,...no meu caso a bola caiu para o lado errado da rede, para minha infelicidade, não matei ninguém, mas ainda hoje sofro em silêncio por ter sido abandonado por quem como eu, tantas vezes proferiu a palavra “amo-te”.

    ResponderEliminar