terça-feira, 15 de dezembro de 2015

The Box




Título em Português: Presente de Morte
Realizador: Richard Kelly
Argumento: Richard Kelly
Atores: Cameron Diaz
James Marsden
Frank Langella
Duração: 115 minutos.
Ano: 2009
Género: Drama/ficção cientifica 
Classificação: M/12



Sinopse: Batem à porta. Um embrulho é deixado no chão. Quando o casal decide ver o que está dentro do embrulho, encontram uma caixa de madeira com um botão. Eles não sabem do que se trata mas logo alguém vai desvendar o mistério.

Norma é professora e o marido é um cientista. A vida corria bem até aos problemas no plano profissional começarem. O marido não consegue ser astronauta como gostaria e ela enfrenta problemas no seu local de trabalho, sendo gozada devido à sua deficiência física.

Um belo dia, um embrulho é deixado na porta desta família. A curiosidade é mais forte e eles decidem ver o que está lá dentro. Aparentemente é uma caixa simples com um botão vermelho no meio. Dias depois um estranho aparece afirmando ser o dono da tal caixa e traz uma proposta: por um milhão de dólares, uma pessoa completamente desconhecida será assassinada. Se não aceitarem, a caixa será dada a outra pessoa e nada acontece com eles.

Os sentimentos de culpa misturam-se com a necessidade do dinheiro. O casal acha que tomou a melhor decisão mas uma serie de acontecimentos mostrará que estavam errados.

Gostei: O mais interessante do filme é fazer-nos pensar no que faríamos se fossemos aquele casal. Será que aceitávamos carregar no botão ou não?

Não gostei: a partir de certa altura o filme fica confuso. O argumento perde-se pelo caminho.


Pontuação: 6/10

5 comentários:

  1. Pensei que gostavas de confuso LOL. eu tou num mood not de suspense at all LOL

    ResponderEliminar
  2. acho que não vou ver,
    é tipo de filme que não me puxa
    obrigada pela revium

    ResponderEliminar
  3. Tu colocas cada questão que nem ao diabo lembra... carregar no dito cujo por um milhão de dólares? Agora fiquei a pensar...

    Tudo de bom.

    (com muitos dólares e sem caixinhas surpresa)

    ResponderEliminar
  4. Olha, a primeira vez que vi este filme adorei. Fiquei agarrada nele. Quando terminou a satisfação foi imensa. A segunda vez já custou mais a passar.

    Quanto à questão para mim estava fora de questão. Sabia que JAMAIS iria carregar no botão. Aliás, ia mandar o senhor e a sua malinha de dinheiro suspeito dar uma voltinha para fora da porta da minha casa - porque nem sequer entrava. Não o conhecia!

    Mas a vida dá voltas. E se hoje continuo a dizer que não ia carregar num botão que causa a morte a alguém, sei que a ideia de ganhar dinheiro fácil é mais tentadora. Mas nunca que carregaria num botão, seria o mesmo que pressionar o gatilho de uma arma e nenhum dinheiro do mundo vale o teu carácter. Mas achei a história muito interessante. Reparaste que eram sempre as ESPOSAS que carregavam no botão sem conhecimento dos esposos? Fiquei a matutar nisso... Na vida real será que é a mulher que arrisca sabendo as implicações, ou seria o homem que se precipitaria achando que era uma brincadeira? Depende, se calhar... As razões que levariam uma mulher a carregar são as mesmas que a levariam a não carregar. E que elas não se importassem de morrer para salvar os filhos não é novidade alguma. Assim que carregaram no botão estavam, na realidade, a dar a sentença de morte a si mesmas.

    ResponderEliminar
  5. Olha, a primeira vez que vi este filme adorei. Fiquei agarrada nele. Quando terminou a satisfação foi imensa. A segunda vez já custou mais a passar.

    Quanto à questão para mim estava fora de questão. Sabia que JAMAIS iria carregar no botão. Aliás, ia mandar o senhor e a sua malinha de dinheiro suspeito dar uma voltinha para fora da porta da minha casa - porque nem sequer entrava. Não o conhecia!

    Mas a vida dá voltas. E se hoje continuo a dizer que não ia carregar num botão que causa a morte a alguém, sei que a ideia de ganhar dinheiro fácil é mais tentadora. Mas nunca que carregaria num botão, seria o mesmo que pressionar o gatilho de uma arma e nenhum dinheiro do mundo vale o teu carácter. Mas achei a história muito interessante. Reparaste que eram sempre as ESPOSAS que carregavam no botão sem conhecimento dos esposos? Fiquei a matutar nisso... Na vida real será que é a mulher que arrisca sabendo as implicações, ou seria o homem que se precipitaria achando que era uma brincadeira? Depende, se calhar... As razões que levariam uma mulher a carregar são as mesmas que a levariam a não carregar. E que elas não se importassem de morrer para salvar os filhos não é novidade alguma. Assim que carregaram no botão estavam, na realidade, a dar a sentença de morte a si mesmas.

    ResponderEliminar