sexta-feira, 12 de outubro de 2007

1492: Conquest of Paradise

Titulo em Português: 1492: Cristóvão Colombo
Dirigido por: Ridley Scott
Escrito por: Roselyne Bosch
Actores: Gérard Depardieu
Armand Assante
Sigourney Weaver
Michael Wincott
Duração: 154 minutos
Ano: 1992
Género: Aventura/Biografia


Muito se falou sobre as falhas do filme quer a nível histórico, quer a nível de escolha de actores e até concordo com algumas coisas. Realmente seria difícil de alguém pensar em Gerard Depardieu como Cristóvão Colombo (sem fazer o menos esforço para esconder o sotaque francês) ou em Sigourney Weaver como rainha (confesso que não consigo imagina-la sem um extraterrestre feio por detrás) e esses foram os principais erros da película.
Escusado será falar no tema do filme. Toda a gente sabe a incrível caminhada que foi para Colombo atravessar o Oceano Atlântico rumo á China, e dar de caras com um paraíso na Terra. Vale a pena sim, falar dos problemas que surgiram com a nova descoberta: o que seria um lugar para começar do zero depressa tornou-se num desastre com os homens ditos civilizados matando os mais “indefesos”.
Ponto positivo para Michael Wincott que brilhou com o seu Adrian de Moxica, mau como as cobras, sendo o rastilho para a explosão de sangue, suor e lágrimas no inicio do novo mundo.
Ponto positivo também para uma das cenas finais em que Cristóvão Colombo recorda o passado e lembra com saudade como tudo começou.

Ponto extra para a música com o mesmo nome do filme interpretada pelos Vangelis.

Pontuação para este filme:

3 comentários:

  1. Querida Ana S.:
    Para variar um filme que eu vi :))
    Este filme que tinha as condições para ser um êxito lançado em 1992 quando passavam 500 anos sobre a descoberta não me convenceu pelos mesmos motivos que criticas.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Faço minhas as tuas palavras.
    Esta peça tinha a melhor das substâncias para vingar, mas faliu de ingredientes à nascença.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. PASSEIO DAS ESTRELAS16/10/07 6:02 da manhã

    Olá Ana

    Estou de acordo contigo e com os outros dois comentadores, realmente o que se salva do filme e a boa música de Vangels.

    Um beijo.

    ResponderEliminar